Para cientistas plantas têm consciência e inteligência

Não é difícil ver pessoas questionando: mas, e as plantas? Elas são inteligentes? Sentem dor? Não é de hoje que cientistas se debruçam para descobrir até que ponto elas possuem consciência e o campo da neurobiologia vegetal é responsável por estudar seu comportamento complexo. Após anos e anos de pesquisas, cientistas sugerem que as plantas não apenas têm consciência e inteligência, como teriam evoluído a ponto de ter entre 15 e 20 sentidos, como as habilidades humanas de cheirar, provar, ver, tocar e ouvir.

Os primeiros estudos e experimentos nessa área iniciaram em 1966, quando Cleve Backster já se dedicava a estudá-las e também a seus “comportamentos”. O ex agente da CIA descobriu, por meio de experimentos, que havia atividades elétricas nelas. Apesar de ter dado o pontapé inicial, os seus estudos ficaram adormecidos, mas receberam um impulso adicional em 2006, quando um artigo publicado no Trends in Plant Science, mostrava uma equipe de biólogos argumentando que o comportamento de uma planta não é apenas produto de processos genéticos e bioquímicos e declaram que um novo campo da neurobiologia vegetal deve nascer para entender melhor as plantas.

Internet Móvel

Eric D. Brenner, biólogo molecular americano, Stefano Mancuso, fisiologista italiano, František Baluška, biólogo eslovaco, e Elizabeth Van Volkenburgh, biólogo americano afirmam que essa área de pesquisa “tem como objetivo entender como as plantas processam as informações que obtêm de seu ambiente para desenvolver, prosperar e reproduzir da melhor maneira”.

Além de explicarem que elas mostram comportamentos coordenados por algum tipo de “sistema integrado de sinalização, comunicação e resposta”, respondendo a variáveis ambientais, os cientistas explicam que as plantas utilizam sinal elétrico, produzindo sustâncias químicas semelhantes aos neurônios em animais, o que permite que umas respondam às outras. A partir disso, os autores argumentam que as plantas possuem inteligência e os estudos apontam que elas evoluíram a ponto de ter entre 15 e 20 sentidos separados. Stefano Mancuso afirma que as plantas pensam de maneira diferente, utilizando inteligência distribuída.

Mas, também há críticas e Lincoln Taiz, professor aposentado de fisiologia de plantas da U.C. Santa Cruz é, talvez, o principal crítico. Para ele, as chances de isso ser verdade são “efetivamente nulas. As plantas não possuem nem requerem consciência”.

Mais Posts

Deixe o seu Comentário

As Mais Lidas