Notícias

Há um reservatório submerso de gás desconhecido na costa do Japão

Uma nova investigação, cujos resultados foram publicados na revista especializada Geophysical Research Letters, sugere que o reservatório pode ter o potencial de um recurso energético inexplorado ou de uma ameaça de gás de efeito estufa.

metano e o dióxido de carbono podem ficar presos nos bolsos do fundo do mar durante um processo chamado rift, pelo qual a crosta se separa devido à atividade térmica à medida que o magma quente escoa das áreas próximas. Como os dois gases escapam do magma ou são produzidos por interações entre organismos microbianos e sedimentos ricos em orgânicos que se encontram com a água, podem ficar presos em sedimentos impermeáveis ​​como a argila.

Internet Móvel

Uma análise dos dados sugere que o reservatório pode ser tapado por hidrato de metano ou gelo que contem metano.

Se o reservatório tiver metano, este gás poderia servir como um potencial de energia. O Japão tornou-se o primeiro a extrair metano dos depósitos offshore de hidrato de metano em 2013 e, desde então, o Departamento de Energia dos EUA fez dos esforços científicos em torno dos hidratos de gás uma prioridade para possíveis recursos recuperáveis.

Como alternativa, se o reservatório abrigar dióxido de carbono (ou metano), isso representa o potencial de uma ameaça de gás de efeito estufa. O carbono atmosférico é uma causa que contribui para a mudança climática global e, de acordo com uma análise recém-divulgada pela NOAA, os níveis de carbono são mais altos do que em qualquer ponto dos últimos 800 mil anos.

“Embora muitas pessoas se concentrem nos gases de efeito estufa produzidos por seres humanos, também existe uma enorme variedade de fontes naturais“, disse o autor do estudo, Takeshi Tsuji, da Universidade de Kyushu, em comunicado, divulgado pelo EurekAlert. “Reservatórios de gás em grande escala ao longo de um eixo de uma fenda podem representar outra fonte de gases de efeito estufa na qual precisamos de manter os nossos olhos. Ou podem tornar-se num recurso natural significativo”.

Para encontrar o reservatório, os investigadores implantaram um dispositivo acústico rebocado por um barco para ver como as estruturas geológicas refletem as ondas de pressão sísmica. A partir desses dados, criaram um mapa bidimensional de alta resolução que mostrava onde as ondas de pressão viajam pelo solo.

Os cientistas podem estimar a velocidade à medida que se movem pelo solo, permitindo determinar a localização e a saturação dos reservatórios subterrâneos de gás.

“Zonas como a que investigamos não são incomuns ao longo de fendas, por isso espero que reservatórios semelhantes possam existir noutras partes da costa de Okinawa, além de outras bacias continentais cobertas por sedimentos ao redor do mundo”, explicou Tsuji, acrescentando que outros reservatórios podem estar à espreita abaixo da superfície do oceano em todo o mundo.