Entretenimento

Em uma vila na Índia, as pessoas são chamadas por um assobio próprio

Na vila de Kongthong, na Índia, ninguém ouve os gritos desesperados de uma mãe chamando pelo Enzo ou pela Valentina para voltar para casa e tomar banho. E muito menos a tecnologia conta muito, o que evita milhares de ligações perdidas ou mensagens de áudio de vários minutos. Lá, cada criança que nasce ganha, além do nome, uma melodia única, criada pela mãe. Então, é comum ouvir assobios como se fossem pássaros cantando — são, na verdade, chamados diretos a alguém.

De acordo com Pyndaplin Shabong, mãe de três crianças, “a composição da melodia vem do fundo do coração”. “É uma maneira de expressar minha alegria e meu amor pelo bebê”. A tradição é centenária e muito usada pelos cerca de 700 residentes da vila, que preferem assobiar para se comunicar.

Apesar de eles também terem nomes próprios, os assobios, que duram entre 4 e 6 segundos, são os métodos mais utilizados. Mas, diferente de nomes, que podem ser usados em mais de uma pessoa eventualmente, a melodia própria é única e intransferível. Mesmo que o indivíduo morra, sua melodia nunca mais será usada para identificar outro morador. Os sons podem até ser parecidos, porém jamais idênticos.

Entretanto, se o assunto for uma bronca ou briga, o tom é universal. Nesses casos, o nome é usado com aquele jeito que só mães bravas sabem pronunciar. E, aí, é cada um por si!

Origem musical
A origem desse costume, chamado jingrwai lawbei (canção da primeira mulher do clã, em tradução livre), parece vir do folclore indiano. É uma referência ao povo Khasi, que acredita no poder mágico da mãe original.

De acordo com as histórias locais, “se espíritos invisíveis das florestas próximas ouvirem o nome de alguém sendo chamado, isso fará com que a pessoa adoeça”. Na prática, as ondas sonoras de um assobio parecem ecoar mais e mais longe nos campos do que o chamado de um nome. Dessa forma, é mais fácil e prático contactar alguém em longas distâncias.

Não há uma precisão sobre quando a prática iniciou no vilarejo, mas tudo indica que tenha sido com a formação da aldeia, cerca de 5 séculos atrás. No entanto, essa tradição pode estar com os dias contatos. Com a expansão tecnológica alcançando lugares cada vez mais longínquos, o vilarejo também vem se transformando. Os mais jovens já assobiam nomes baseados em músicas de Bollywood, e falar com os amigos via celular tem acontecido com mais frequência.